Cirurgia BYPASS gástrico e intestinal para emagrecimento

Também conhecida como Bypass em Y de Roux e cirurgia de Fobi-Capella a cirurgia Bypass pode fazer com que o paciente perca até 70% de seu peso inicial. A cirurgia consiste em reduzir o estômago e também fazer uma alteração no intestino e com isso, induzir o indivíduo a comer menos e consequentemente perder peso.

Essa é o cirurgia para redução do estômago mais praticada no Brasil, pois além de muito eficaz é também muito segura. A técnica consiste em grampear uma parte do estômago e fazer um desvio no intestino para estimular o aumento dos hormônios da saciedade e com isso, induzir o paciente a comer menos, uma vez que tem a sensação de saciedade mais rapidamente.


Após a cirurgia, o intestino fica no formato de um Y e como o sobrenome do cirurgião que deu origem a essa técnica é Roux, fica muito fácil explicar o nome dado a esse tipo de cirurgia.

Não é preciso nem dizer que essa cirurgia não é aconselhada para todos aqueles que desejam emagrecer, nada disso, pois ela é só recomendada para pessoas com obesidade mórbida.

Obesidade

Esta é definida pelo excesso de gordura no organismo que traz causas diferentes como genéticas, hormonais ou ambientais.


Um problema grave que atinge mais de 2,1 bilhões de pessoas no mundo todo.

A obesidade acontece quando o consumo de calorias é maior do que a energia que o organismo pode gastar.

Segundo a Organização Mundial da Saúde(OMS), este um problema que traz sérios prejuízos à saúde e é preocupante uma vez que é de abrangência pública e pode causar comorbidade também.

Estado de comorbidade

Uma situação patológica que pode ser causada, agravado ou ainda pode tornar-se difícil o seu tratamento devido ao excesso de peso.

Pode apresentar cura ou domínio através da perda ponderal. E portanto existem gravíssimas comorbidades às quais a obesidade está relacionada. Confira:

  • Hipertensão arterial
  • Hiperuricemia
  • Síndrome metabólica
  • Esteatose – Gordura no fígado
  • Cardiopatias
  • Câncer – de útero, vesícula, pâncreas, rins, mama, intestino e esôfago
  • Síndrome de Ovários Policísticos
  • Diabetes Melittus tipo 2
  • Dislipidemias – HDL baixo, hipercolesterolemia ou hipertrigliceridemia
  • Infertilidade
  • Apnéia
  • Refluxo gastroesofágico
  • Dores nas articulações – Artropatias
  • Hérnias na parede abdominal
  • Incontinência urinária de esforço
  • Transtornos alimentares

Quando é considerado Obesidade Mórbida

A obesidade mórbida é um grave problema de saúde, pois consiste no acúmulo de gordura no corpo que segundo o IMC iguala ou excede aos 40 kg/m². Pessoas assim, vivem mal, sem saúde e ainda tem um tempo de vida bem reduzido.

Infelizmente, nos dias atuais, quando o corre-corre da vida não permite reservar tempo para uma alimentação realmente saudável, é cada vez maior o número de pessoas que tendem a alcançar a obesidade mórbida, a começar pelo público infantil.

Como temos na imagem, a cirurgia bypass pode ser feita também reduzindo as medidas estomacais, esse procedimento é conhecido como bypass gástrico, o alimento entra, e como foi reduzido o tamanho do estômago, a sensação de saciedade logo ocorre.

Em geral, esse acúmulo de gordura no corpo é resultado de uma dieta rica em calorias, quando o indivíduo ingere mais calorias do que gasta, lembrando que também o sedentarismo é uma tendência em nossos dias.

Dietas a base de alimentos gordurosos, Fast-food e alimentos industrializados e mais a falta de hábito em praticar atividades físicas diárias são combinações perfeitas para que as pessoas se tornem obesas e acarretem sobre si, muitos problemas de saúde.

Quem deve fazer a Bypass

É importante ficar atento a esses dados baseados no Primeiro Consenso Bariátrico Brasileiro. Sendo assim, quem precisa fazer bariátrica é aquele paciente que tem:
  • IMC – maior do que 40 – não importando se tenha comorbidades ou não;
  • IMC – entre 35 a 40  – com presença de comorbidades;
  • IMC – entre 30 e 35 – com presença de comorbidades que sejam classificadas ‘graves’ pelo médico especialista. E também a indicação para um clínica da obesidade por um endocrinologista;

Como conseguir a Cirurgia Bypass pelo SUS

Uma cirurgia para redução do estômago através da técnica Bypass não é barata, pois pode chegar a custar até R$ 45.000,00 reais dependendo da clínica onde for realizada. Nesse preço é claro, está incluído todas as despesas com profissionais que atuarão na cirurgia, além dos medicamentos pré e pós-operatório.

Já para quem desejar fazer a cirurgia pelo SUS, bem sabemos que o sistema de saúde público se encontra bastante precário e nem sempre é tão seguro assim. De qualquer forma, o SUS tem classificado os casos mais urgentes para atender e, nesse caso, alguém que desejar fazer a cirurgia, poderá ter que esperar por muito tempo na fila e confiar que tudo ficará bem no final.

Preparo antes da Cirurgia

Muito antes da cirurgia, o paciente passa por uma avaliação com questionário feito pelo cirurgião que vai analisar o peso, a altura, quando o indivíduo começou a perder o controle sobre o peso, avaliações sobre possíveis doenças existentes, dietas feitas e por quanto tempo, princípios de saúde, enfim, vai procurar se inteirar de toda a vida do paciente.

Depois então de decidido pela realização da cirurgia, o paciente precisará fazer uma bateria de exames de laboratório, até para mostrar se este possui alguma deficiência vitamínica que deverá ser corrigida antes,  tudo para que a cirurgia com a maior segurança e que no final o paciente fique satisfeito.

Ainda entre esses exames todos que precisarão ser feitos, o paciente deverá passar por uma análise de um cardiologista para saber se  está de fato apto a fazer a cirurgia sem riscos.

Para garantir o estado geral do paciente, também são feitos outros exames como:

  • Ultrassonografia do abdômen
  • Endoscopia
  • Teste ergométrico
  • Raio X do tórax

Também devemos lembrar de que o paciente precisará passar por avaliações feitas pelo endocrinologista, psicólogo, nutricionista, pneumologista e por fim por um anestesista.

É de suma importância que o paciente esteja completamente preparado emocionalmente. Este também precisa estar inteirado da dieta adequada que deverá seguir daqui para frente.

Tudo isso é feito no pré operatório para garantir uma análise em detalhes sobre possíveis riscos e o controle de doenças que estão associadas à obesidade.

Além disso, ainda traz condições dessas patologias serem acompanhadas na sua evolução, possibilitando o controle das dosagens e reajustes de medicamentos, caso seja necessário.

Avaliações

Estas devem ser feitas por especialistas como:

  • Endocrinologista
  • Psiquiatra e/ou psicólogo
  • Nutricionista
  • Cardilogista
  • Cirurgião plástico
  • Nutricionista
  • Anestesista
  • Pneumonologista

  Exames

Aqui está a lista dos principais exames laboratoriais a serem feitos:
  • Hemograma
  • Glicemia
  • Perfil lipídico
  • Coagulograma
  • Enzimas hepáticas
  • Uréia
  • Creatinina
  • Insulinemia
  • Cortisol
  • Ácido úrico
  • Albumina
  • Vitamina B12
  • Ácido fólico
  • Ferro
  • Ferritina
  • T4 livre
  • TSH
  • HCG em mulheres em idade fértil
  • PTH
  • 25(OH) vitamina D3
  • Sorologias para hepatite B e C
  • Sorologia para HIV

Outros exames

  • Eletrocardiograma
  • Ecografia abdominal
  • Endoscopia digestiva Alta – H. pylori
  • Radiografia de tórax
  • Entre outros que ficam a critério médico dependendo do caso

O que é feito na cirurgia de Baypass

A cirurgia de Bypass é um tanto complexa e é feita em aproximadamente 2 horas. Depois disso, o paciente precisará ficar internado de 3 a 5 dias. Em geral, a cirurgia é feita por Videolaparoscopia e para isso são feitos de 4 a 6 pequenos orifícios na região do abdômen que permitirá a passagem da micro-câmera e demais aparelhos para a realização da cirurgia.

Alguns passos para a realização da cirurgia

  • Corte no estômago  – na cirurgia é feito um corte no estômago muito perto do esôfago para dividi-lo em duas partes, sendo uma maior e outra menor. Nesse caso, a parte maior do estômago não poderá armazenar os alimentos.
  • Corte no intestino – além do corte no estômago dividindo-o em duas partes, também é feito um corte no intestino para ser ligado a parte menor do estômago e assim criar uma passagem dos alimentos que sairão do estômago.
  • A outra parte do intestino é ligada então a porção maior do estômago que irá receber o alimento que vem da parte menor para ser misturada as enzimas e assim acontecer a digestão.

A maior vantagem desse tipo de cirurgia é que o indivíduo além de perder até 70% de seu peso inicial, poderá manter essa perda, pois além de uma maior sensação de saciedade, o organismo tem dificuldades de absorver o que é ingerido.

O objetivo com esta é justamente o da indução a perda de peso, e hoje com mais de 50 anos no mercado, este tipo de cirurgia já é considerado uma ‘superespecialidade’, trazendo muitas técnicas para o tratamento do problema.

Tipos de bariátricas

Existem basicamente 3 tipos de cirurgia bariátrica:

Restritivas – que são aquelas que trazem por objetivo a redução da capacidade de armazenamento do estômago e também o controle da velocidade no esvaziamento.

Neste caso,existe a redução do estômago.

Disabsortivas – aquelas que fazem a exclusão de grande parte dos segmentos do intestino delgado,  ou seja é feito um desvio do intestino, fazendo com que os nutrientes tenham menos tempo de contato com as células intestinais, e não sejam absorvidos completamente.

Cirurgia mista – que é a combinação da diminuição da capacidade de armazenamento com a diminuição da capacidade de absorção de nutrientes.

Obs.: não existe um tipo de cirurgia perfeita, pois cada uma das técnicas apresenta suas vantagens e desvantagens.

Como saber à qual tipo de cirurgia se encaixa

Para descobrir à qual tipo de cirurgia cada paciente se encaixa, existem alguns critérios que devem ser observados como:

  • Idade
  • Sexo
  • Raça
  • O grau de obesidade
  • Hábitos alimentares
  • Nível social
  • Perfil psicológico comportamental
É durante as consultas avaliativas que será decidida qual seja a melhor técnica para o tal paciente.

Quais são os benefícios

Bom, Existem benefícios sim dessa cirurgia bariátrica, mas é importante seguir corretamente as prescrições médicas, senão nada feito. Acompanhe alguns deles:
  • Melhora na qualidade de vida – isso acontece com cerca de 95% dos pacientes;
  • Cura e controle do Diabetes Melittus tipo 2 – acontece em 90% dos casos;
  • Melhora da hipertensão;
  • Melhora do colesterol – dislipidemia;
  • Redução dos riscos de derrames – AVC – e infarto – IAM;
  • E ainda a melhora ou cura de doenças variadas como: trombose venosa, tireoidopatia, embolias, refluxo gastro esofageano, incontinência urinária de esforço, problemas ósteo articulares, roncopatia, apnéia do sono, esteatose hepática;
  • E com certeza, a melhora notória na auto estima;

Possíveis complicações

Como qualquer outro procedimento cirúrgico, a bariátrica também traz riscos para a saúde do paciente. Mas com tantas técnicas, hoje elas são bem raras. Mas caso aconteçam, podem ser tipo:
  • Atelectasia do pulmão e pneumonia;
  • Embolia pulmonar;
  • Trombose venosa profunda;
  • Infecção de ferida cirúrgica;
  • Hemorragias;
  • Hérnias incisionais e internas;
  • Fístulas das anastomoses;
  • Úlceras e estenoses da anastomose do estômago com o intestino;
  • Perda de peso menor do que o necessário;
  • Anemias;
  • Desnutrição;
  • Pedras na vesícula biliar;
  • Diarréia e evacuações com gase extremamente fétidos;
Importante: Apesar de acontecerem com pouca incid~encia, é importante que tanto o paciente quanto os familiares estejam bem informados sobre as possibilidades.

 Como é a Recuperação

A recuperação da cirurgia Bypass é um pouco lenta e pode levar até 1 ano e enquanto isso, o paciente perde até 40% de seu peso. As dores abdominais pelo menos durante os primeiros 30 dias após a cirurgia são perfeitamente normais.

Além disso, é muito provável que o paciente vá sentir náuseas, vomitar e até ter diarreia em geral, logo após as refeições, o que implica em escolher os alimentos mais apetitosos e mais nutritivos para atender ao paladar.

Logo depois da cirurgia também é importante a prática dos exercícios respiratórios para evitar possíveis complicações respiratórias e com o passar do tempo, as atividades físicas também serão muito úteis até mesmo para ajudar a evitar o enjoo que aparece após as refeições.

Quando retornar ao médico

É de suma importância o retorno ao médico e isso fica mais ou menos assim:

Com 7 dias – deverá retornar para a retirada dos pontos; Também poderão ser feitas prescrições de medicações como suplementos nutricionais e para evitar úlceras;

Com 30 dias – voltar para aferição de peso, e avaliar a evolução da dieta; é nessa consulta que o médico poderá liberar os exercícios físicos mais leves em casos de laparoscopia;

Com 3, 6, 9 e 12 meses – para refazer exames laboratoriais, aferição de peso, reposição de vitaminas e saias minerais, caso haja necessidade. E também para possíveis reclamações.

Dos 6 aos 12 meses – nessa fase pode ser feito exames de ecografia abdominal para avaliação de possível colelitíase – pedra na vesícula – e esteatose – gordura no fígado.

Também é realizada a endoscopia digestiva para analisar a existência ou não de úlcera péptica e o reservatório gástrico em si.

A partir do 2º ano – A partir do segundo ano após a cirurgia, os retornos ao médico deverão ser semestrais.

Dieta pós Cirúrgica

Após a cirurgia, o paciente deverá ser alimentado com soro pela veia e apenas 2 dias depois é que poderá ingerir água e chá a cada 20 minutos e ainda em pouca quantidade, pois o estômago se encontra ainda frágil. Depois de 5 ou 6 dias após a cirurgia, o paciente já está apto a receber mais líquido e, nesse caso, já pode ingerir alguns alimentos pastosos.

Depois de 30 dias após a cirurgia, já poderão ser servidos os alimentos mais sólidos ao paciente, mas estes devem ser recomendados pelo médico ou nutricionista.

Quanto peso perde quem fez Bypass

A cirurgia bariátrica é de efeito bastante positivo na questão de perda de peso, até porque essa é uma forma de diminuir a fome quase incontrolável de antes, tendo maior saciedade após as refeições.

A dieta deve ser rigorosamente seguida após a cirurgia, e na primeira semana  pós-operatório deverá ficar somente na dieta líquida, sendo seguida de dieta pastosa a partir da segunda semana, sendo que a partir da terceira semana já poderá ser seguida uma dieta com alimentos sólidos, mas em pequenas porções.

Na primeira semana, normalmente perde-se de 800 gr a 1kg por dia. Seguindo desta forma, ao final do 1º mês pós-cirúrgico, o paciente poderá chega a uma perda de 8 a 12% do seu peso total. 

Essa perda de peso será constante, podendo chegar a 35% do seu peso total em 12 ou 14 meses pós cirúrgico.

Dos 18 a 24 meses, a perda de peso começa a diminuir, até alcançar uma estabilidade. Mas é importante ressaltar que a perda de peso neste período pós-operatório depende também de atividades físicas e a adoção de uma dieta saudável e equilibrada.

Já o bypass intestinal tem por objetivo diminuir o caminho percorrido pelo alimento por via intestinal, para que esse possa ser eliminado mais rapidamente evitando assim, que o corpo armazene mais energia dos alimentos, assim o corpo absorverá muito menos calorias, o procedimento é indicado para pessoas que não estão mega gordas assim se comparadas a outras bem mais gordas.

É importante seguir rigorosamente a dieta estipulada pelo nutricionista e seguir fielmente as prescrições médicas.

Pode acontecer com alguns pacientes de em dado momento estabilizar a perda de peso, esta é a fase conhecida como ‘platô’, mas se seguir as dicas nutricionais e médicas, logo começará novamente o processo de emagrecimento.

Caso esta fase de parada no emagrecimento seja prolongada demais, busque ajuda do médico e nutricionista para adaptar a dieta e continuar o processo de emagrecimento.

Nesta fase é comum o desespero por emagrecer, e ai pode acontecer aquela ‘fissura’ que resulta em subir na balança todos os dias, e várias vezes, inclusive. Busque não fazer isso, até porque durante o dia o peso poderá variar devido a inchaços, retenção de líquidos e outros fatores que só vão fazer com que se estresse.

O ideal mesmo e aconselhável, é subir na balança somente 1 vez ao mês, e pronto. E isso no dia da consulta ao nutricionista ou bariátrico.

*O que você precisa saber – Cirurgia bariátrica não traz cura à obesidade. Mas é uma maneira de ajudar, e deve ser conciliada com atividades físicas regulares, pelo menos 3 vezes na semana, e, uma total reeducação alimentar.

Se você quer muitos resultados positivos, deixe fora do seu cardápio alimentos como as frituras, doces, gorduras e refrigerantes e outras bebidas gaseificadas.

*Importante – Tomar água ajuda a eliminar as toxinas do organismo e ainda mantêm a sensação de saciedade, inibindo a vontade de comer em exageros.

Devo Tomar Vitamina?

Devido ao procedimento cirúrgico para combater a obesidade, a anatomia do estômago e do intestino proximal pode se alterar, e pode acontecer a carência vitamínica sim devido a uma capacidade menor de absorção das vitaminas.

E se houver defasagem vitamínica  e mineral no organismo, poderá resultar em problemas neurológicos, dermatológicos, na pele, cabelos, unhas e ossos entre outros. E essa defasagem poderá vir a longo prazo, sendo que deverá haver um comprometimento entre o paciente e o profissional para acompanhar o caso a longo prazo.

Portanto é bem possível que seja necessário a reposição dessas vitaminas e minerais por um período expressivo após a cirurgia. Mas isso, com certeza será confirmado através de exames laboratoriais e seu médico indicará o que for necessário.

Entre os suplementos que provavelmente deverão ser tomados temos a vitamina D, vitamina A, Vitamina E, vitamina B1, Vitamina B12, e também minerais como cálcio, ferro e ácido fólico.

*Não esqueça que através de uma alimentação equilibrada e rica em nutrientes, grande parte das necessidades vitamínicas e minerais será suprida. Estão fique esperto/a e não descuide, pois afinal tanto sofrimento e restrição não deve fazer parte da sua vida somente assim, é preciso obter resultados positivos, atingir os objetivos e metas, e viver mais saudável e feliz, com a autoestima e a silhueta na medida certa para se sentir interessante.

Gravidez

É importante que toda mulher que se submeta a uma cirurgia bariátrica tenha a consciência de tomar anticoncepcional pelos próximos 18 meses após para evitar assim o risco de engravidar e causar carência de vitaminas e nutrientes tanto a ela como ao feto.

Progressão alimentar para quem faz bariátrica

Depois da cirurgia se não se cuidar, de nada valerá tanto transtorno e sacrifício. Confira esse modelo de rotina alimentar que poderá usar:

Dieta líquida

Esta deve ser seguida do 2º ao 15º dias onde o paciente só deverá ingerir líquidos. Em média de 50 a 100 ml em cada refeição.

esses líquidos devem conter todos os nutrientes necessários entre eles citamos:

  • Iogurt light
  • Chás
  • Leite desnatado
  • Sopas variadas de verduras, frango ou carne
  • Mingaus finos
  • gelatinas
  • Sucos de frutas e vegetais como cenoura, couve, tomate, beterraba entre outros
As porções devem ser divididas por todo o dia de forma que o paciente não sinta nem fome nem peso no estômago por exagerar na quantia.
Obs.: É importante saber que nessa fase a fome diminui e acaba se tornando uma fase agradável com a ingestão de líquidos, mas não pode de maneira alguma fazer a ingestão de sólidos, nem tomar grandes quantidades de líquidos, para evitar complicações.
Dieta pastosa
Esta fase começa a partir do 15º dia e as refeições devem ser constituídas de:
  • Purês de batata, aipim, abóbora, mandioquinha e outros vegetais;
  • Sopas com pequeninos pedacinhos de legumes, arroz frutas amassadas e carne moída;
  • Sucos e chás podem complementar a alimentação do dia a dia; mas os líquidos devem ser sempre nos intervalos das refeições, sendo que estes devem ser tomados em pequenas porções durante o dia, pelo menos 1,5 ml;
Obs.: Os alimentos pastosos não devem exceder a quantia de 600g divididas durante as refeições do dia.
A dieta pastosa deverá permanecer assim até que os alimentos sólidos possam ser ingeridos, e isso leva mais ou menos de 30 a 60 dias.
Alimentos de fácil mastigação
Este deve ser iniciado após 45 dias e deve ser à base de alimentos de fácil mastigação. Mas nessa fase os alimentos normal já podem ser introduzidos.
No entanto é importante atentar a quantidade que deverá permanecer de 600 g divididas durante o dia.
Os líquidos também devem ser tomados em abundância, mas somente nos intervalos das refeições.
Os alimentos devem ser bem mastigados e distribuídos entre 3 a 5 refeições com ingredientes de baixo valor calórico e alto teor proteico. Prefira os alimentos cozidos que são mais mastigáveis e não grelhados nem assados que são mais duros.
Coma com muita calma.

Comer com muita calma  e excelente mastigação

Bom agora você já está entre o 60º e 90º dia, e é importante continuar comendo com muitas calma e muita mastigação.
 
Cada um deverá fazer agora seu próprio cardápio, desde que seja de baixas calorias.
A mastigação deve ser lenta, sendo que deverá continuar ingerindo pequena quantidade de alimento a cada refeição. isso para evitar que aconteçam vômitos e regurgitações.
Nunca leia, ou assinta televisão enquanto está comendo.
E as refeições devem conter os nutrientes, proteínas, carboidratos e vitaminas suficientes para ficar bem nutrido a cada dia.
Não se deite nunca após as refeições e não ingira líquidos junto com as refeições.

Algumas reações comuns

Podem acontecer alguns revertérios como vômito e desconforto depois das refeições, mas isso pode ser unicamente pelo comer indevidamente. então se corrija, mastigue lentamente e muito bem, coma pouco e não tome líquidos junto e esses sintomas vão passar.
Importante: o regime de alimentos sólidos não deve ser substituído por pastosos pois os sólidos garantem maior saciedade e contribuem para a perda de peso.
Elimine o açúcar da sua dieta, pois ele é um vilão no ganho de peso.
Movimente-se, pois o sedentarismo é amigo do ganho de peso.

Leia também: